Quem disse que tem que ser magra pra ser feliz?!

Por Débora Gumiero

Nos últimos dias temos ouvido falar bastante sobre a ditadura da magreza, seja no local clássico “passarela” ou em propaganda de academias que já foram boas. Um caso conhecido é o da cantora Adele, pois é, recentemente a cantora foi chamada de ‘gordinha demais’ pelo estilista Karl Lagerfeld (CHANEL) , mas rebateu se dizendo contente com seu peso e forma. Outro caso recente é a propaganda agressiva da academia Runner que criou um outdoor que perguntava o seguinte: “Neste verão, você quer ser sereia ou baleia?” Geeeeente, o que que é isso?!? Eles perderam a noção ou as pessoas que estão cegas e burras? Por favor, ser magro é legal, porém, não é sinônimo de felicidade. Engana-se quem vai para a academia em busca da felicidade, felicidade é um conjunto de coisas e acontecimentos da vida somados, não é estar magro que tudo fica lindo, na real, você tem que estar bem com você, estar com os pensamentos leves e resolvidos entre outras coisas.

A MELHOR MANEIRA DE MELHORAR O PADRÃO DE VIDA, É MELHORAR O PADRÃO DO PENSAMENTO… 😉

“Eu nunca quis ser como as modelos nas capas das revistas. Eu represento a maioria das mulheres e tenho orgulho disso.” Adele

Obs.: Mesmo assim, Adele foi capa da VOGUE:

“Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.” Autor desconhecido

Dica de leitura: Amanhã Você Vai Entender

Por Caroline Nishi

E se viagem no tempo fosse possível? Você já parou para pensar na possibilidade de mudar algo em seu passado que pode alterar todo seu futuro?

Miranda tem 12 anos e possui um fascínio especial por um livro de Madeleine L’Engle, que fala sobre viagem no tempo. Ela levava uma vida normal até o dia que seu amigo, Sal, apanhou de um garoto na rua e a tem evitado desde então. Mas este é só o começo das peculiaridades que surgirão em sua vida, além de não ter mais o seu melhor amigo por perto, a chave extra do seu apartamento some do esconderijo, a possibilidade de alguém ter invadido sua casa é grande e ela encontra um bilhete enigmático que não sabe de onde veio:

“Estou indo salvar a vida do seu amigo e a minha.
Peço dois favores.
Primeiro, você precisa me escrever uma carta.”

Outros bilhetes chegam à Miranda e ela fica preocupada, pois só uma pessoa muito próxima teria acesso a informações tão íntimas. E a cada bilhete que encontra está a prova irrefutável de que ela é a única apta a ajudar aquele desconhecido a realizar sua missão e evitar uma tragédia quase anunciada.

Uma história fantástica ambientada na real Nova York te apresenta de maneira simples e genial a Teoria da Viagem no Tempo, sem toda aquela porcaria de linguagem científica que você não entende “bulhufas”, te explica como é possível essa viagem acontecer e como funciona o mecanismo de tempo/momento/ na nossa vida ou em nossas muitas realidades.

Em 2010 Amanhã você vai entender ganhou a Medalha Newbery, entregue pela American Library Association às mais importantes contribuições norte-americanas à literatura jovem. Elogiado pelo The New York Times, The Wall Street Journal e The Washington Post este é um livro que não pode faltar na biblioteca da sua filha nerd.