Quem inventou o amor?

Por Caroline Nishi

“Quem inventou o amor? Me explica por favor…” assim cantou Renato Russo, grande músico e sábio poeta. Mas antes de perguntar quem o inventou vamos questionar, o que é o amor?
Segundo o dicionário, amor é um sentimento que induz a aproximar, a proteger ou a conservar a pessoa pela qual se sente afeição ou atração, grande afeição ou afinidade forte, é um sentimento intenso de atração entre duas pessoas. Mas o significado de uma palavra no dicionário e a sua aplicação na vida real são coisas distintas e assim como tudo o que aprendemos na vida, nem toda base teórica pode ser colocada em prática, principalmente quando lidamos com um fator tão mudano e único como o ser humano.

O amor pode ser facilmente confundido com outros sentimentos como posse, obsessão e dependência afetiva, é impressionante nossa capacidade de confundir sentimentos tão mesquinhos com algo tão belo como – deveria ser – o amor. Amamos pelas razões erradas e consequentemente sofremos por nossa ignorância. É comum ouvir pessoas dizendo que sofrem por amor, mas que amor é esse que faz você sofrer, chorar, que te faz pequeno e te prende com correntes?

Que tipo de amor é esse que te faz inseguro mesmo você sabendo exatamente quem é e onde quer chegar?

Amar não é sofrer, amar é amar, é querer a felicidade do ser amado, sendo ele o único que não pode ser prejudicado. É estranho ouvir pessoas dizendo que matou por amor porque isso soa mais como egoísmo do que qualquer outra coisa, é bizarro e medonho as pessoas ainda confundirem dois sentimentos tão opostos.

Quando se mata não é por amor é por egoísmo, quando se prende não é por amor é por medo de que a vida aconteça, quando se sofre constata-se que aquilo que sentia não era realmente amor, pois o amor te faz renascer e crescer. Quando se ama se dá asas nunca as corta, você regozija-se dele.

Certa vez, li o fragmento de um texto de Antoine de Saint-Exúpery que dizia o seguinte:
“Não confundas o amor com o delírio de posse, que acarreta os piores sofrimentos. Porque, contrariamente, à opinião comum, o amor não faz sofrer. O instinto de propriedade, que é contrário ao amor, é que faz sofrer. […]
Eu sei reconhecer aquele que ama verdadeiramente: é aquele que não pode ser prejudicado. O amor verdadeiro começa lá onde não se espera mais nada em troca.”

Espera-se muito do amor, cria-se muitas expectativas quando na verdade o que precisamos é refletir se é isso mesmo que sentimos. Esse amor que você dá é aquele que você quer receber?

Colocamos o amor num pedestal tão alto que está difícil alcançá-lo, um sentimento tão puro e simples foi transformado em algo inalcançável, um conto de fadas, o amor só é amor se é perfeito, se tem rosas vermelhas, músicas românticas, jantares a luz de velas e muito romance shakesperiano. Me desculpe se acabei com a sua ilusão, mas o amor não pode ser perfeito porque ele habita pessoas imperfeitas, certa vez escrevi que somos pessoas imperfeitas em busca de pessoas perfeitas, seres completos buscando metades que não existem e continuo a persistir neste raciocínio. Tornou-se algo tangível, mede-se o amor pelos valores dos presentes que se ganha e não pelos beijos de tirar o fôlego, mede-se pelos restaurantes que frequentam e não pelas carícias trocadas embaixo do cobertor num dia frio.

Espero que não demore muito para percebermos que o amor reside nos gestos mais simples da pessoa amada e, ironicamente, termino este artigo com um poema de William Shakespeare:

“De almas sinceras a união sincera
Nada há que impeça: amor não é amor
Se quando encontra obstáculos se altera,
Ou se vacila ao mínimo temor.
Amor é um marco eterno, dominante,
Que encara a tempestade com bravura;
É astro que norteia a vela errante,
Cujo valor se ignora, lá na altura.
Amor não teme o tempo, muito embora
Seu alfange não poupe a mocidade;
Amor não se transforma de hora em hora,
Antes se afirma para a eternidade.
Se isso é falso, e que é falso alguém provou,
Eu não sou poeta, e ninguém nunca amou.”

Anúncios

Será que ele está afim de você?

Por Caroline Nishi

Pergunta difícil de ser respondida, mas que ronda o universo feminino desde os primórdios dos tempos. Se a amizade entre homens e mulheres é um comportamento recente, esta pergunta talvez seja a mais antiga que fazemos “será que ele está afim?”.

O Elamundo me convocou para esta tarefa árdua. Os homens dizem que as mulheres são difíceis de compreender, mas eles dizem isso porque nunca pararam para analisar o próprio comportamento, quer algo mais contraditório que uma mulher, bom… analise um homem e você terá.

Este tema foi inspirado no filme “Ele Não Está Tão Afim de Você”, típica comédia romântica hollywoodiana que nos faz acreditar em histórias que raramente acontecem na vida real. Este filme ressalta o nosso lado mais patético e ridículo, quando estamos apaixonadas vemos sinais (errados) em tudo.

Afinal, como posso saber que ele está afim de mim? Quais são os sinais?

Como de costume, eu fiz uma pesquisa extensa, busquei textos, matérias de revista e estudos, e tudo que encontrei não diz muita coisa, não satisfaz minha necessidade de informação, são incompletos e deixam a desejar. Com a intenção de levar um artigo com conteúdo significativo para o Elamundo, busquei informações extras com os meus amigos e amigas para tornar o tema e a discussão um pouco mais verossímeis.

Certa vez alguém me disse “você sabe quando um cara está afim, você simplesmente nota”, está bem, podemos até notar quando o cara está afim, mas como saber quando ele está realmente afim e quando os sinais não são frutos da sua imaginação? Uma coisa é você notar que um cara que você não conhece (ou não gosta) está afim de você, outra bem diferente é você interpretar corretamente estes sinais numa pessoa que você também está muito afim.

No jogo da sedução nem tudo se diz com palavras, muitas vezes o corpo fala por você, se um olhar pode dizer muita coisa o seu corpo pode dizer muito mais. Existem estudos e vários livros publicados sobre o assunto, o melhor de todos (na minha opinião) é Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal, de Allan e Barbara Pease. Neste livro, os pesquisadores observaram que quando se trata de expressar sentimentos o subconsciente mostra o que o consciente tenta esconder e os sinais são muitos. Portanto, meninas, vamos falar menos e observar mais.

A linguagem corporal ao contrário da linguagem falada não pode ser disfarçada ou mascarada, isso por quê é o subconsciente que opera esta área, é estranho pensar desse modo, eu sei, é como se você fosse duas pessoas e essa outra pessoa fosse um irmão mais novo que está ao seu lado sempre disposto a te dedurar, gritando “mentiraaa, ra ra ra!” com o dedo indicador apontado para o seu rosto.

De acordo com este livro, nós mulheres somos muito mais perceptivas que os homens, claro que não havia necessidade de estudos científicos para chegar a essa conclusão, mas é sempre bom termos um embasamento seguro para não dizerem por ai que somos loucas, certo?!
E na mesma proporção que somos mais perceptivas a estes sinais, nós também os emitimos muito mais que os homens. Mesmo sem querer ou perceber somos um livro aberto repleto de sinais prontos para serem interpretados.

Homens e mulheres demonstram de maneiras diferentes quando estão afim de uma pessoa, mas em alguns aspectos somos relativamente iguais como quando encontramos o ser desejado, quase que instantaneamente nosso tônus muscular aumenta, o peito projeta-se para frente, o estômago se encolhe automaticamente e endireitamos nossa postura. O corpo fica ereto e a pessoa parece ter rejuvenescido – essa é a famosa postura peito de pombo, risos.

Outro aspecto interessante a ser destacado é a direção do corpo quando se está conversando com alguém, e isso não se encaixa apenas na hora da paquera, essa pessoa pode se mostrar interessada na conversa ou demonstrar total desinteresse pelo assunto e/ou interlocutor, tudo o que você precisa fazer é observar a direção que seu corpo aponta. Por exemplo, quando você e o gato estão conversando e ele está totalmente virado para você com o corpo inclinado na sua direção, significa que ele está interessado no assunto e no que você está dizendo – e consequentemente em você. Geralmente os pés apontam a direção que gostariam de ir, se ele está conversando meio de lado como se estivesse pronto para ir embora a qualquer momento isso significa que a conversa não está agradando e que ele não vê a hora de se livrar de você. A direção de seu corpo e pés também podem apontar onde ou com quem gostaria de estar.

Vocês querem um exercício prático? Procurem fotos de Robert Pattinson e Kristen Stewart antes de eles assumirem o namoro, era nítido que tinha alguma coisa acontecendo entre eles.

Claro que você deve usar o bom senso, numa conversa em grupo a dinâmica pode mudar com a intervenção de vários interlocutores, mas se ele realmente estiver interessado em você, ele vai arrumar uma desculpa, um assunto ou uma maneira de ficar mais próximo a você e iniciar uma conversa unilateral.

Quando estamos interessados em alguém nossos olhos podem ser reveladores, dizem que os olhos são o espelho da alma e talvez haja um pouco de verdade nisso, quando olhamos a pessoa desejada nossos olhos adquirem um brilho mais intenso e as pupilas se dilatam até quatro vezes o tamanho normal. Mas para isso você tem que levar em consideração o ambiente e iluminação, seja racional!

As mulheres usam alguns gestos aparentemente simples como arrumar ou sacudir os cabelos, alisar a roupa, colocar uma mão, ou as duas, no quadril, direcionar o corpo e/ou um pé na direção do homem, lançar longos olhares que demoram mais que o necessário. As pupilas se dilatam e o rubor de nossas bochechas podem revelar coisas que conscientemente não queremos.
Quando estamos afim de alguém exibimos nossos pulsos – que são considerados uma das zonas mais eróticas do corpo, exibimos também as palmas das mãos enquanto conversamos, sinal de que estamos abertas as possibilidades, esse gesto fica mais fácil quando se é fumante. Algumas mulheres inconscientemente usam o famoso efeito Marilyn Monroe, o olhar de esguelha com as pálpebras um pouco baixas, elas sustentam o olhar do homem para que ele se dê conta da situação e assim que consegue desvia o olhar. Essa é uma forma sedutora de espiar e ser espiado.

Outro sinal que as mulheres usam quando estão afim de um cara é o cruzamento de pernas, utilizando-se de diversas posições básicas para comunicar a atração sexual como apontar com o joelho, assim uma perna se dobra debaixo da outra e o joelho da perna cruzada destaca a pessoa que despertou seu interesse. É uma postura mais relaxada que tira a formalidade da conversa e deixa as coxas mais expostas. Quase todos os homens acham que pernas cruzadas tornam a mulher sentada mais atraente, é uma posição que as mulheres usam conscientemente para chamar a atenção, o cruzar e descruzar das pernas com lentidão acariciando as coxas indicam o desejo se serem tocadas.

Agora os homens emitem menos sinais que as mulheres, mas não menos aparentes e perceptíveis. Quando um homem estiver interessado em uma mulher ele se preocupará com sua vestimenta, alisará a gola ou a camisa, vai tirar um pó imaginário dos ombros ou arrumará a camisa, jaqueta ou qualquer outro objeto ou acessório que estiver usando, é possível que passe a mão pelos cabelos. O homem pode adotar também uma atitude sexualmente mais agressiva ao colocar os polegares no cinto ou as mãos no bolso evidenciando a genitália. Ele também pode usar a tática do olhar, sustentá-lo durante uma fração de segundo mais do que o normal e se ele realmente estiver interessado suas pupilas se dilatarão. Outro ponto em comum que os homens têm conosco é o uso das pernas, pés e direção do corpo para indicar seu interesse, mas este assunto já foi abordado mais acima.

O fato é que todos nós emitimos sinais não só quando estamos afim de uma pessoa mas em diversas, senão todas, situações do cotidiano alguns mais evidentes que outros, emitimos sinais de raiva, alegria, tristeza, quando alguma coisa nos incomoda ou nos deixa feliz, precisamos apenas estar atentas para decodificá-los, isso pode ajudar não só em relação a garotos, mas em qualquer âmbido da vida.

Os homens insistem em dizer que somos complicadas e difíceis de entender, mas eles também são assim, talvez não da mesma maneira que nós, mas não menos misteriosos. O homem parece ter a necessidade de ter várias cartas na manga, ou seja, eles sempre estão atrás de várias mulheres, me corrijam se eu estiver errada mas um cara pode amar uma mulher e demostrar total interesse em outra na frente dela, eu já vi isso acontecendo e é uma coisa que eu sinceramente não consigo entender. Se tiver algum homem disposto a esclarecer este assunto, por favor, comentem este post precisamos de informações para tentar entender o lado masculino da questão, se vocês estão afim de uma mulher por que agem dessa maneira? Talvez sejamos confusas por reflexo destas atitudes, reflitam.
Muitos deles reclamam que a iniciativa sempre tem que partir deles, mas quando nós damos o primeiro passo eles também reclamam! Eles se assustam e dão a impressão de se sentirem menos homens, então afinal o que vocês pensam e realmente querem?
Essa é só a ponta do iceberg, como devem ter percebido o comportamento masculino pode ser muito complexo. Tudo bem que quase tudo gira em torno de sexo e mostrar o quão homens eles são, mas acredito que exista um lado sentimental que poucos têm coragem de mostrar, um lado vulnerável que fica escondido embaixo dessa pose toda de “eu sou foda” e nós queremos conhecer este lado também.

Além dessas complexas questões masculinas que ainda não temos respostas, eu perguntei para vários amigos sobre as atitudes que tomam quando estão afim de uma mulher e a maioria deles afirmaram serem diretos, chegam na lata e perguntam, mas não deixam de usar alguns sinais como o olhar mais intenso, prestar mais atenção ao que ela diz, tocá-la com um pouco mais de frequência e certamente a direção do corpo e dos pés tornam evidentes as suas intenções, mas isso é tão inconsciente que ninguém percebe. Disseram que essa abordagem pode mudar se a pessoa for sua amiga, porque se não der certo eles podem perder muito mais do que um simples casinho de amor. Mas disseram também que é meio complicado saber quando a mulher está afim deles, alguns ficam com receio de chegar e constatar que tudo foi fruto da sua imaginação, que ela só estava sendo legal e muitos já foram traumatizados por este tipo de situação, portanto, preferem que tomemos a iniciativa ou procuram um intermediador para ajudá-los. Outros são mais caras de pau e sem muita certeza chegam e perguntam, eles são corajosos devemos admitir, e suas chances de sucesso são maiores, eles afirmam que o não eles já têm o que eles precisam é lutar pelo sim, nada mais poético.

Para nós, mulheres, existem diversos cenários, mas vou citar apenas aqueles que julgo serem os principais, afinal são muitos e nossa intenção não é essa.
Existem as mulheres corajosas que tomam a iniciativa, partem para o ataque e não tem medo de um não, talvez isso intimide os homens mas nunca se sabe, podemos nos surpreender. Existem as mulheres que apenas dão os sinais para que os homens tomem a iniciativa, elas usam e abusam de olhares, jogadas de cabelo, cruzadas de pernas e o famoso olhar Marilyn Monroe, o resto fica por conta deles. E outras que simplesmente não sabem seduzir e nem reconhecem quando estão sendo seduzidas, estas (e eu me encaixo neste perfil) são as mais sem noção de todas, pois além de perder grandes oportunidades elas acabam enfrentando situações minimamente cômicas.
Nem citarei o que acontece quando nos apaixonamos por uma pessoa próxima porque este assunto já discutimos em “Existe amizade entre homens e mulheres”.

Mas além de todas essas possibilidades e situações existe uma outra um pouco mais complicada que foi mencionada por quase todos que entrevistei, que é descobrir se a pessoa que você está afim também está afim de você, o que fazer quando isso acontece?
Acho que o mais importante de tudo é você estar atenta para não perder uma oportunidade, prestar atenção ao sinais que o cara emite, tentar interpretá-los da forma mais racional possível e ponderar os prós e contras, um amigo próximo aos dois pode ajudar neste caso. E, óbviamente, demonstrar que também está afim do cara e ver qual será a resposta, mas faça isso sempre respeitando a sua natureza, se você for do tipo que pergunta sem medo de ser feliz, ótimo!, mas se não for, procure outra maneira de descobrir. Devemos correr atrás da nossa felicidade respeitando nossos limites, não adianta nada você chegar no cara, levar um não na cara e depois ir pra casa chorando se sentindo um lixo. É importante você dizer o que sente, mas esteja preparada para tudo.

O problema é que nós mulheres somos criadas para acreditar em príncipe encantado, contos de fadas e o felizes para sempre, todos aqueles contos da Disney não nos prepararam para a realidade e quando a vida acontece, ela mostra que nem sempre é possível viver nessa fantasia.

O cara que você está afim nem sempre estará afim de você, o relacionamento que deseja ter nem sempre suprirá as suas necessidades. Somos pessoas imperfeitas procurando pessoas perfeitas, somos serem completos procurando por metades que não existem. Quando estamos apaixonadas ou afim de um cara enxergamos todos estes sinais errados porque deixamos o coração falar mais alto e apesar de todo o desejo de possuir coisas como casa, carreira, carro e dinheiro, tudo que mais queremos é SER, ser feliz, e por que não ser feliz pra sempre? O sempre é muito relativo pode durar uma fração de segundos ou uma vida inteira, depende da sua intensidade e queremos encontrar o nosso príncipe encantado, mesmo sabendo que ele não virá nos salvar montado num cavalo branco, mas que de uma forma imperfeita ele será perfeito para nós.

Mulheres que Tomam Iniciativa

Por Débora Gumiero

Este tema, pode ser ou não, algo que agrade os homens, depende do ponto de vista dele e/ou as intenções dela mas, temos que encarar que este é um fato bem comum nos dias de hoje.

As mulheres estão cada dia mais equilibradas com os homens, e isso faz com que as deixem mais confiantes, independentes e livres para tomar a iniciativa, ou pelo menos demonstrar com mais clareza seu interesse.

Os homens dizem que acham a situação diferente, interessante, mas ainda reclamam que muitas mulheres se vulgarizam quando adotam este tipo de postura. Eles aceitam os olhares, a aproximação, se deixam envolver, mas há um momento em que eles precisam se sentir os donos da situação, e talvez nada mais natural, porque assim é a natureza “o macho domina a fêmea”. Eles precisam mostrar interesse, provar seus dotes, sejam físicos como de um homem que atendem à mulher para não se sentirem menos.

Do lado da mulher de atitude, tratando-se de bom senso,  ela, auto-confiante, chegará no cara e conversará com ele para mostrar o que ela tem de melhor… charme, inteligência, autenticidade, bom humor etc. Para ela as coisas são simples, sem rodeios já que ela sabe o que quer. Mas acredito que a maioria delas, depois de conseguir o que queria e tiver a tendência de querer mais depois, pode vir a calhar uma rejeição. Eles dizem que apesar de gostarem da iniciativa, eles perdem o tesão da situação porque o fato foi consumado.

.

“As vezes tem uma iniciativa mas com uma atitude que não parece… desvalorizante mas, quebra um pouco o jogo, de fato!”  Rafael Furquin
.

“Acho que tudo que não é comum estranha um pouco mas, isso tende a acontecer cada vez mais” Vinícius Fortineli

.

“Eu acho interessante. Na hora é meio estranho porque é diferente do que estou acostumado, mas não vejo porque elas não fazerem isso, já que estão interessadas. Mas sendo sincero, tira um pouco do encanto do ato da conquista às vezes.” Theodoro Mierle
.
.
“Depende da ocasião, no caso de garotas que são muito atiradas e acabam deixando as coisas muito fáceis, correm um sério risco de serem usadas só pelo momento. Se for pra ter algo sério, não me importo de esperar o movimento da sedução mas prefiro que a iniciativa parta do homem!” João Menezes
.
..

Eis o machismo que ainda está impregnado em nossa sociedade. Os homens cobram atitude, mas mulheres que tomam essa atitude, muitas vezes são automaticamente desvalorizadas no conceito deles, algo bem irracional como ação e reação.  Isso só mostra a ligação entre homem x desafio.

É meninas, acredito que a iniciativa, para ser positiva (caso você pense em algo pra depois), pode ser algo sutil, de leve, sem afronto. Assim você não perde a oportunidade e nem ele. rs

Mas num geral, não devemos nos prender a regras, porque uns vão gostar, quem sabe se apaixonar (por você) pela sua iniciativa e outros nem tanto. O que realmente interessa é você se manter autêntica e não se sabotar. Faça o que quiser, quando quiser, com quem tiver vontade… sem forçar nada!

By the way… como disse Voltaire “O maior problema e o único que nos deve preocupar é vivermos felizes” 😉

Um beijo
Débora Gumiero

Cinquenta Tons de Cinza – o buraco é bem mais embaixo

Por Caroline Nishi

A decepção nada mais é que uma expectativa frustrada, acho que essa frase define o que eu sinto quando penso nesse livro.
A editora Intrínseca investiu num marketing pesado para divulgá-lo, ele é sucesso garantido em todo lugar que é lançado e a editora não economizou para garantir os direitos de publicação da obra, que custou U$$ 780 mil. Para cobrir estes gastos, a Intrínseca precisaria vender 170 mil exemplares e em três semanas o livro chegou a uma marca inédita no Brasil, em três semanas foram vendidos mais de 200 mil exemplares! No Reino Unido bateu recorde de venda na Amazon estabelecido por Harry Potter, ou seja, 50 tons vendeu em 4 meses o que HP levou 14 anos e essa febre parece longe de acabar, a Focus Featured comprou os direitos pela produção cinematográfica da obra pelo valor mínimo de U$$ 5 milhões, que também é outro recorde absurdo.

Mas depois desse marketing todo, desse boom de atenção que a obra recebeu fui convencida a comprar o livro, ainda não consegui terminá-lo, faltam poucas páginas – que estão se arrastando para acabar – e confesso que me decepcionei e muito. A autora explora um enredo que já foi explorado à exaustão pela Stephenie Meyer e por outros autores que vieram em seguida. Não se trata de história de vampiros que brilham, mas explora os mesmos arquétipos: menina insegura que não enxerga sua própria beleza e homem extremamente seguro de si (pelo menos aparentemente), lindo, perfeito com um corpo escultural e seu tipicamente cabelos da cor de bronze naturalmente bagunçados, com dinheiro e poder para realizar suas fantasias mais estapafúrdias, que se lembra de tudo que fala e gosta, um cara ciumento e dominador – no caso de Grey a aplicação da palavra dominador tem outro sentido.
A história também não muda, um cara intangível se envolve com uma garota comum e que no final acaba se apaixonado perdidamente por ela, até mesmo a psiquê dos personagens são semelhantes.
Sabe o que é mais irritante? Se você leu Crepúsculo sabe disso, mas a medida que a leitura avança dá a impressão de que você está lendo novamente a história de Edward e Bella, é a mesma ladainha, os mesmos personagens, os mesmos diálogos e pensamentos e as mesmas irritantes comparações.
O que muda na história é que Grey faz na centésima página o que Edward não foi capaz em 1500 páginas, TRANSAR!

Cinquenta tons deu destaque a um outro nicho no mercado editorial, a chamada literatura erótica, talvez este seja o motivo de tanta fumaça para pouco fogo, novidade com uma pitada de sacanagem. Cinquenta tons além de descrever as cenas de sexo, aborda também o masoquismo, tema ainda é considerado tabú em nossa sociedade, a relação dominador e submissa e o uso de acessórios na hora do prazer como chicotes, algemas e mordaças.
E, apesar de muitos estarem pensando “nossa, que tenso”, esse livro não tem nada de pesado eu esperava algo muito mais agressivo, Grey está a procura de sexo e realização dos seus prazeres mais secretos, mas como a história é narrada sob o ponto de vista de Anastasia tudo é “romantizado”, até mesmo quando Grey diz “quero te foder com força” o coração de Ana vibra descompassadamente apaixonado.

Tudo isso somado ao marketing investido pela editora aumentou o appeal sobre o livro. Não posso negar que a leitura seja interessante, mas não tem nada de complexo e que acrescente alguma coisa em sua vida, além de outras ideias de como usar uma gravata. Novamente, o texto é muito mais do mesmo, sem inovação, sem entusiasmo, o texto não é inteligente, os diálogos são muito clichês – não mais que os orgasmos de Ana – e os personagens pouco atraentes. Federico Moccia consegue fazer isso muito melhor com muito menos e com histórias voltadas para o público adolescente e não supostamente para mulheres adultas.
O sucesso desta série também pode significar outra coisa, os homens precisam usar mais a imaginação na hora do sexo, menos falso moralismo e mais satisfação dos seus verdadeiros prazeres, o que acontece entre 4 paredes deve ficar por lá.

Resumindo, 50 tons é estável e previsível. Para mim não valeu os R$ 39,90 que paguei, não acrescentou nem significou nada para mim, este é um daqueles livros que apenas li (acompanhei a massa e me dei mal) não me emocionei, não me identifiquei com a personagem, com a história e com o insulto à feminilidade e independência que as mulheres conquistaram, pois ao contrário do que muitos andam dizendo por aí, nem todas as mulheres desejam ser submissas, é sufocante pensar na ideia de deixar um cara dominar literalmente a sua vida. Quando surgiu o filme O Segredo de Brokeback Mountain ninguém saiu por aí dizendo que todo homem tem um lado homossexual dentro de si então, por favor, também não tirem conclusões precipitadas.

Vamos ver o que a sequência terá a nos oferecer. Quem sabe as coisas se tornam mais quentes, a história mais interessante e os personagens menos previsíveis. E se o livro é considerado erótico, nada mais justo do que ter mais cenas de sexo.

Existe amizade entre homens e mulheres?

Por Caroline Nishi

Quando o Elamundo me convidou para escrever sobre este assunto eu não imaginei que ele fosse tão polêmico a tal ponto de ser objeto de estudos científicos tampouco fosse motivo para inúmeras matérias de revista e portais.
Pelo visto o Elamundo quer polemizar, então vamos jogar lenha na fogueira.

Durante minha pesquisa surgiram vários pontos de vista controversos, para este artigo busquei opiniões distintas, além de textos e estudos extraídos da internet, convidei amigos e amigas para participar da discussão e deixá-la mais democrática.

Será que a amizade entre um homem e uma mulher pode existir?

Oscar Wilde disse certa vez “não se pode haver amizade entre homem e mulher. Pode haver paixão, hostilidade, adoração, amor, mas não amizade.”, diante desta citação abrimos o assunto em questão, afinal o que torna a amizade entre homens e mulheres algo tão belo e confuso?

A amizade entre um homem e uma mulher pode começar despretensiosa, sem segundas intenções, apenas por afinidade, mas diferentemente de uma amizade com uma pessoa do mesmo sexo, a amizade entre um homem e uma mulher pode evoluir de uma maneira… diferente. Mas o que leva uma amizade evoluir para o “algo a mais”?

É natural dois seres do sexo oposto se atraírem, mais natural ainda você se sentir atraído por alguém com quem tem tanta afinidade quanto um amigo, ou melhor amigo. A maior parte dos meus amigos (homens) disseram que um cara dificilmente começa uma amizade sem interesse, muitas vezes eles desejam conhecer aquela mulher, mas não sabem como fazer, nem a maneira certa de chegar e a amizade se torna um bom caminho. Já as minhas amigas disseram que a maioria das vezes elas iniciam uma amizade simplesmente por afinidade, mas em alguns casos o tempo e a intimidade mudaram a visão que elas tinham do até então “só amigo”. E quando a amizade muda para um dos dois aparece também o medo de estar confundindo as coisas e perder a amizade.

Um caso típico que vale a pena usar como exemplo é o relacionamento de Ross e Rachel da série Friends, quem nunca assistiu DEVE assistir.

Eles são o supra-sumo da amizade entre um homem e uma mulher que se transforma em amor, racionalmente ela não é a mulher dos seus sonhos, mas, como ele mesmo explica, ela é a Rachel e isso basta. Ela, no entanto, nunca o viu como um possível amor, ele sempre foi o irmão mais velho da melhor amiga, porém as coisas mudam quando Chandler deixa escapar que Ross é apaixonado por ela.

E durante este processo de se apaixonar/esquecer/ou se declarar é interessante observar a dinâmica do “estar apaixonado” dos sexos, os homens mesmo apaixonados não deixam de sair com outras mulheres e a possibilidade de se apaixonar por uma delas nunca é descartada, já as mulheres não conseguem parar de pensar no ser amado e mesmo ficando com outros caras estão com a cabeça e o coração naquela pessoa. Isso me faz pensar em como somos patéticas.

Por que isso acontece? Este é um fenômeno novo, surgiu no século 20, ainda pouco estudado pela ciência. Tudo que li é meio contraditório, alguns dizem que é perfeitamente possível existir amizade entre os sexos, quando há maturidade e um consenso de que ficarão somente na amizade e outros dizem que essa é quase uma missão impossível, pois somos influenciados diariamente por novelas, séries e filmes em que o casal de amigos sempre estão fadados a acabar na cama.

Outro dado importante apontado em alguns estudos é que, mesmo que você vire para o seu amigo e diga “seremos só amigos, ok?!” e faça uma promessa de sangue, os seus hormônios não funcionam dessa maneira. Isso mesmo, os hormônios não funcionam assim e consequência disso é a tensão sexual que se vive em certas relações.
E é engraçado pois este “desejo reprimido” é tipicamente brasileiro, uma pesquisa feita com estudantes americanos revelou que metade das suas amizades que começaram com o sexo oposto envolve sexo. Dos que transaram com o amigo ou amiga 55% afirmaram que o álcool foi decisivo. (#ficaadica)

Diante de tudo que foi dito, opinião de amigos, estudos e etc qual a conclusão que tiro sobre o assunto, afinal, pode existir amizade entre um homem e uma mulher?

Chego a conclusão que sim, é possível haver amizade entre homens e mulheres. Pode haver uma troca mútua de conselhos, dicas, broncas, risadas, choros e confidências. Mas tenha certeza de que haverá um momento em que vocês se apaixonarão um pelo outro, poderá ser ao mesmo tempo ou em tempos diferentes, mas esteja certa de que um dia isso vai acontecer. A afinidade é foda, quando acontece não tem jeito, só não é tão irresistível quanto pele, mas ainda assim é mais perigoso porque não é só carne, tem outras coisas envolvidas como cumplicidade, sentimentos, gostos, histórias, sei lá, a vida dos dois no enlace do infinito (8).

Conselhos para dar? Quem sou eu para aconselhar alguém, mas se tiver alguém ai lendo este texto que esteja apaixonada por um amigo e não sabe o que fazer, te digo FAÇA. Fale, expresse seus sentimentos, uma vida bem vivida é aquela em que você chega no final da estrada, olha pra trás e pensa “poxa, valeu a pena”. Vocês são amigos, tenho certeza de que você encontrará uma forma de falar o que sente sem espantar o gato, essa é a vantagem da sua relação, você sabe o que fazer, conhece o outro. Então, procure sua coragem e vá a luta. Porque se você quer, tem muitas outras querendo também… pense nisso.

Quando se trata de pessoas não existe fórmula certa, tenho amigas que se casaram com seus melhores amigos, tenho amigos que continuaram apenas amigos, tenho amigos que se pegam de vez em quando, não tem regra, acontecerá do jeito que tem que acontecer. E se acontecer, escreva pra gente contando a sua história, será um prazer publicá-la no Elamundo.

Nota:
Preciso compartilhar algo que aprendi agora, alguém já teve a curiosidade de procurar o significado para afinidade? Pois então pasmem, Hollywood está certa, risos.

Afinidade: 3. [Química]  Tendência dos corpos para se unirem.

Ativando o Amor <3

O amor representa o centro de nossa existência. Ele nos alimenta desde que nascemos, pois são os cuidados que recebemos que farão toda a diferença e permitirão que possamos crescer e nos desenvolver.

Seguimos ao longo da vida sempre nos nutrindo do amor que recebemos de nossa família, nossos amigos e de nossos parceiros afetivos. Esta é, aliás, para muitas pessoas, a dimensão da vida em que mais se faz presente a necessidade de amor.

Receber amor é tudo o que mais desejamos, entretanto, existe dentro de nós uma reserva inesgotável de amor, que na maior parte das vezes direcionamos para o mundo exterior, e esquecemos de ofertar a nós mesmos.

Ativar a energia amorosa significa reconhecer esta fonte e permitir que ela se espalhe a partir de nosso coração para o restante do mundo, sem qualquer expectativa de retribuição.

Quando nos tornamos preenchidos pelo amor, ele naturalmente atrai na nossa direção, muitas oportunidades de compartilhá-lo. Mas, enquanto permanecemos inconscientes desta riqueza, seguimos como mendigos famintos, implorando pelo amor do outro, como se dele dependêssemos para sobreviver.

Esta inversão, que nos leva a buscar o amor por acreditar que não temos amor, é uma das principais fontes de sofrimento. Se, ao contrário, pudermos sentir que já temos amor suficiente e, por essa razão, desejamos ofertá-lo, certamente a energia assumirá outra natureza.

As pessoas se sentem muitas vezes rejeitadas porque antes mesmo delas darem algo, já existe a expectativa. Se a expectativa não for satisfeita, elas se sentem rejeitadas. É a expectativa que está criando problema, não o amor.
Dê o amor sem qualquer corda amarrando-o. Dê o amor pelo puro prazer de dar. Alegre-se dando-o.
O pássaro cuco, ao cantar distante, não se preocupa se alguém está gostando ou não. A estrela distante – você pensa que ela está preocupada se um poeta está escrevendo um belo poema sobre ela ou se um Vicent van Gogh está pintando-a, ou se um fotógrafo ou um astrônomo estão preocupados com ela? A estrela não está interessada nisso. A sua alegria está em continuar brilhando.
Simplesmente abra o seu coração… E abra-o totalmente, sem quaisquer expectativas e condições. É certo que ele alcançará o coração certo; isto sempre acontece.
…E você está me perguntando: Seria este o tempo e o lugar para abrir o meu coração totalmente?
Todo tempo e todo lugar é o lugar certo!
…Você esperou tempo demais, não espere mais. Este é o tempo. Nunca confie no momento seguinte; o amanhã nunca vem. É agora ou nunca”!
OSHO.

Fonte: Somos Todos Um
Elisabeth Cavalcante

Quanto sua insegurança pode destruir sua chance de ser feliz?

Sentir-se inseguro diante do desconhecido ou do novo, é completamente natural. Insegurança diante da impetuosidade da paixão ou da falta de garantias no amor, também pode ser compreensível. Entretanto, na linha tênue do coração, é preciso encontrar uma medida saudável e criativa para todos os sentimentos.

Se você vive inseguro, sentindo-se ansioso, tenso e com a sensação de que, a qualquer momento, pode perder a pessoa amada ou ser substituído por alguém mais interessante, talvez seja momento de relaxar e rever seus conceitos sobre si mesmo.

Esta semana, presenciei um comportamento decorrente de uma insegurança desmedida e destrutiva e comecei a observar o quanto uma pessoa pode construir seu próprio futuro de modo mascarado, empobrecido e equivocado sem se dar conta, tão afetada que está pela falta de reconhecimento de suas próprias capacidades.

Em decorrência dessa miopia, certamente vai experimentar relações doentias, magoar-se recorrentemente diante da constatação de que suas estratégias são frágeis e ineficientes e, especialmente, amargar uma solidão dolorosa, que é fruto de sua dinâmica interior.

Pessoas inseguras, principalmente quando estão se relacionando, correm o risco de inventar verdades para justificar comportamentos agressivos e insanos, sobretudo para afastar aqueles que, por motivos também inventados, parecem representar uma ameaça à sua suposta felicidade.

Pois pode apostar: felicidade autêntica não carece de insegurança, e muito menos é ameaçada por quem quer que seja. Se o que você vive realmente é amor, se está construindo um relacionamento saudável, em busca de amadurecimento e cumplicidade, certamente não precisa afastar ninguém, porque seu coração está em sintonia com o universo e com a pessoa amada.

Passar seus dias pensando em estratégias para derrotar inimigos que nem existem só vai fazer você perder a maravilhosa oportunidade de ser feliz neste relacionamento ou com a simples possibilidade de vir a se relacionar. E, certamente, você se transformará numa pessoa mal-humorada, pesada, briguenta, chata e… feia! E o pior é que não só você perderá com tudo isso, mas também as pessoas que você mais ama, sejam seus familiares, amigos e até seu par!

Sugiro que você faça uma autoavaliação bastante honesta e, para efeito de percepção, dê uma nota de 0 a 10 para sua insegurança. Tente se dar conta de como tem nutrido sua autoestima, do quanto tem valorizado suas qualidades e do quanto, acima de tudo, tem trabalhado suas limitações. Admita que tem medo de perder, que sente ciúme, que ainda não se tornou a pessoa que gostaria de ser. Assim, estará no caminho de se tornar… E isto é evolução!

Rosana Braga

fonte: Somos Todos Um