Mulheres que Tomam Iniciativa

Por Débora Gumiero

Este tema, pode ser ou não, algo que agrade os homens, depende do ponto de vista dele e/ou as intenções dela mas, temos que encarar que este é um fato bem comum nos dias de hoje.

As mulheres estão cada dia mais equilibradas com os homens, e isso faz com que as deixem mais confiantes, independentes e livres para tomar a iniciativa, ou pelo menos demonstrar com mais clareza seu interesse.

Os homens dizem que acham a situação diferente, interessante, mas ainda reclamam que muitas mulheres se vulgarizam quando adotam este tipo de postura. Eles aceitam os olhares, a aproximação, se deixam envolver, mas há um momento em que eles precisam se sentir os donos da situação, e talvez nada mais natural, porque assim é a natureza “o macho domina a fêmea”. Eles precisam mostrar interesse, provar seus dotes, sejam físicos como de um homem que atendem à mulher para não se sentirem menos.

Do lado da mulher de atitude, tratando-se de bom senso,  ela, auto-confiante, chegará no cara e conversará com ele para mostrar o que ela tem de melhor… charme, inteligência, autenticidade, bom humor etc. Para ela as coisas são simples, sem rodeios já que ela sabe o que quer. Mas acredito que a maioria delas, depois de conseguir o que queria e tiver a tendência de querer mais depois, pode vir a calhar uma rejeição. Eles dizem que apesar de gostarem da iniciativa, eles perdem o tesão da situação porque o fato foi consumado.

.

“As vezes tem uma iniciativa mas com uma atitude que não parece… desvalorizante mas, quebra um pouco o jogo, de fato!”  Rafael Furquin
.

“Acho que tudo que não é comum estranha um pouco mas, isso tende a acontecer cada vez mais” Vinícius Fortineli

.

“Eu acho interessante. Na hora é meio estranho porque é diferente do que estou acostumado, mas não vejo porque elas não fazerem isso, já que estão interessadas. Mas sendo sincero, tira um pouco do encanto do ato da conquista às vezes.” Theodoro Mierle
.
.
“Depende da ocasião, no caso de garotas que são muito atiradas e acabam deixando as coisas muito fáceis, correm um sério risco de serem usadas só pelo momento. Se for pra ter algo sério, não me importo de esperar o movimento da sedução mas prefiro que a iniciativa parta do homem!” João Menezes
.
..

Eis o machismo que ainda está impregnado em nossa sociedade. Os homens cobram atitude, mas mulheres que tomam essa atitude, muitas vezes são automaticamente desvalorizadas no conceito deles, algo bem irracional como ação e reação.  Isso só mostra a ligação entre homem x desafio.

É meninas, acredito que a iniciativa, para ser positiva (caso você pense em algo pra depois), pode ser algo sutil, de leve, sem afronto. Assim você não perde a oportunidade e nem ele. rs

Mas num geral, não devemos nos prender a regras, porque uns vão gostar, quem sabe se apaixonar (por você) pela sua iniciativa e outros nem tanto. O que realmente interessa é você se manter autêntica e não se sabotar. Faça o que quiser, quando quiser, com quem tiver vontade… sem forçar nada!

By the way… como disse Voltaire “O maior problema e o único que nos deve preocupar é vivermos felizes” 😉

Um beijo
Débora Gumiero

Anúncios

Dica de leitura: O Segredo de Emma Corrigan

Por Caroline Nishi

Que mulher não tem segredos?

Que mulher nunca mentiu o tamanho que veste?

Que mulher nunca teve vontade de gargalhar no meio de uma transa?

Ou melhor, que mulher nunca pensou ter o tão famoso ponto G?

Todas nós temos segredos, mas dificilmente externamos este tipo de coisa… para um estranho. Mas aconteceu com Emma Corrigan, uma mulher que está beirando os 30 anos, bonita, divertida, inteligente, mas que está desesperada para provar o seu valor ao mundo.

Retornando de sua primeira reunião importante – que por sinal deu tudo errado e ela não sabe porquê, arrasada com o resultado negativo, não vê a hora de chegar em casa, ficar embaixo do edredon e se esconder do mundo. Quem dera se o mundo fosse assim, você desejou – plim – acontece, a vida real é bem diferente, Emma passa um dos piores perrengues da sua vida e nem Will Smith conseguiria salvá-la.

O voô enfrenta uma turbulência terrrível e ela está a ponto de ter um troço pensando que estes são os seus últimos momentos de vida. E toda mulher sabe que, quando o desepero bate, nada melhor do que morrer com a consciência limpa e revelar todos os podres que vem à mente no momento do desespero – que geralmente são os piores.

No calor da emoção, Emma agarra a mão do homem que está sentado ao seu lado e revela todos os segredos que brotam em sua mente e que a língua não consegue segurar, segundo ela mesma, o seu “filtro de palavras” não está funcionando, mas quem se importa, ela vai morrer mesmo. E ela vai fundo, confessa que teve um sonho lésbico com sua melhor amiga, que ainda não sabe se tem o ponto G, que ela namora um cara tão lindo e perfeito que parece o Ken da Barbie, que adora se vingar de sua insuportável colega de trabalho matando sua plantinha com suco de laranja e qual sua tática para escapar do trabalho e tomar um café. Quando a turbulência passa e ela se acalma, tudo o que ela quer é ir para casa e encontrar seu Ken – ops! seu namorado – e nunca mais encontrar aquele cara com quem ela descaradamente confessou os seus segredos.

No entanto, o destino brinca com Emma e no dia seguinte ela o reencontra e descobre que ele é, nada mais nada menos, o dono da empresa onde trabalha, ele é Jack Harper, fundador da Panther Cola. Ela reza para que Jack tenha se esquecido dela, mas no instante que seus olhos se cruzam uma chama se acende nos olhos de Jack.

Emma a todo custo tenta evitá-lo, mas parece existir um imã entre os dois e eles sempre acabam se encontrando nos corredores da empresa e imediatamente rola uma química irresistível entre eles. Jack se lembra de tudo que Emma disse naquele voô e passa a jogar com ela, ora realizando seus “desejos” ora confrontando seus medos, tudo isso sem perder o humor e a graça da conquista.

Um livro que foi um marco na minha vida literária, foi o primeiro livro que li mais de dez vezes, Sophie Kinsella te mostra um mundo palpável no qual você pode habitar, situações e momentos que você se identifica e personagens muito reais que poderia ser você ou uma de suas amigas. Uma história que te faz querer mais da vida, da família, dos amigos, do amor. Te faz querer ter alguém que te conheça tão bem quanto você mesma e mesmo assim te amar. Te faz querer encontrar o seu Jack Harper com todo charme, inteligência, simpatia, atitude e humor que lhe é peculiar. Confesso que este é um dos meus muitos modelos de “homem ideal”, eu diria que este é o modelo número 1 da minha lista.

Quando se trata de um trabalho da Sophie Kinsella vale a pena conferir, além desse eu li Lembra de Mim, Samantha Sweet – Executiva do Lar e Menina de Vinte, todos igualmente bons ou melhores que O Segredo de Emma Corrigan e valem uma corrida à livraria mais próxima para comprar.